sábado, 30 de junho de 2012

A trégua






“A vida é suficientemente amarga para que, além disso, fiquemos chorosos, melindrosos ou histéricos só porque algo se antepôs em nosso caminho e não nos deixa seguir nosso percurso até a felicidade, que às vezes vai lado a lado com o desatino.”

***
Domingo, 17 de março

Se eu algum dia me suicidar, será num domingo. É o dia mais desalentador, o mais sem graça. Quem me dera ficar na cama até tarde, pelo menos até as nove ou as dez, mas às seis e meia acordo sozinho e já não consigo pregar o olho. Às vezes penso o que farei quando toda a minha vida for domingo. Quem sabe? Vai ver que me acostumo a despertar às dez horas. Fui almoçar no Centro, porque os rapazes saíram para o fim de semana fora, cada um para seu lado. Comi sozinho. Nem sequer tive forças para entabular com o garçom o fácil e ritualístico intercâmbio de opiniões sobre o calor e os turistas. Duas mesas adiante, havia outro solitário. Tinha o cenho franzido, partia os pãezinhos a socos. Duas ou três vezes olhei para ele, e numa oportunidade seus olhos cruzaram com os meus. Tive a impressão de que ali havia ódio. O que haveria para ele nos meus olhos? Deve ser uma regra geral, isso de nós, os solitários, não simpatizarmos uns com os outros. Ou será que, simplesmente, somos antipáticos?

Voltei para casa, dormi a sesta e me levantei pesado, de mau humor. Tomei uns mates, mas estavam amargos, e me aborreci. Então me vesti e fui outra vez ao Centro. Desta vez me meti num café; consegui uma mesa junto à janela. Em um lapso de uma hora e 15, passaram exatamente 35 mulheres interessantes. Para me entreter, fiz uma estatística sobre o que mais me agradava em cada uma. Anotei tudo no guardanapo de papel. Este é o resultado. De duas, gostei de cara; de quatro, do cabelo; de seis, do busto; de oito, das pernas; de 15, do traseiro. Ampla vitória dos traseiros.

*
Segunda, 18 de março

Ontem Esteban voltou à meia-noite, Jaime à meia-noite e meia, Blanca à uma da manhã. Escutei todos, captei minuciosamente cada ruído, cada passo, cada palavrão murmurado. Acho que Jaime veio um pouco bêbado. Pelo menos, tropeçava nos móveis e por quase meia hora manteve aberta a torneira da pia. Os xingamentos, no entanto, eram de Esteban, que nunca bebe. Quando Blanca chegou, Esteban disse a ela alguma coisa lá do seu quarto, e ela o mandou ir cuidar da própria vida. Depois, silêncio. Três horas de silêncio. A insônia é a peste dos meus fins de semana. Quando eu me aposentar, será que não vou dormir nunca?

Hoje de manhã, falei somente com Blanca. Disse que não me agradava que ela chegasse àquela hora. Ela não é insolente, de modo que não merecia meus resmungos. Mas acima disso está o dever, o dever de pai e mãe. Eu deveria ser os dois ao mesmo tempo, e creio que não sou nada. Senti que passava dos limites quando me ouvi perguntar, em tom de admoestação: "O que você andou fazendo? Aonde foi?" Ela então, enquanto passava manteiga na torrada, respondeu: "Por que você se sente obrigado a bancar o mau? Há duas coisas das quais temos certeza: que temos carinho um pelo outro e que eu não estou fazendo nada errado." Fiquei derrotado. Ainda assim acrescentei, só mesmo para salvar as aparências: "Tudo depende do que você entende por errado".

* * *

Esses textos foram extraídos de A trégua, de Mario Benedetti. Um livro excepcional, daqueles que quando a gente começa a ler não dá vontade de parar, mas que quando chega ao final, seja por simplesmente terminá-lo ou pelos acontecimentos derradeiros, dá uma sensação de desamparo, de algo que vai deixar de ter ou de acompanhar, enfim, uma perda. Não sinto constrangimento em admitir que me emocionei a ponto de deixar rolar algumas lágrimas enquanto lia o finalzinho do livro, talvez pelo fato de eu ter me envolvido demais com o narrador/personagem. Na verdade, sempre me envolvo, me aprofundo bastante nos livros que leio, principalmente em romances tocantes como esse.

Narrado como diário, o autor encontrou a forma perfeita para narrar a história de Martín Salomé, um viúvo cinquentão, prestes a se aposentar e, por isso mesmo, atormentado e temeroso de que a futura rotina, cinzenta e dolorosamente previsível, o consuma de forma implacável e irremediável.

Porém, tudo isso pode mudar ao conhecer Laura Avellaneda, uma jovem tímida e muito discreta com quem Martín volta a descobrir o amor.

Tudo isso seria normal para qualquer leitor menos exigente, mas as palavras escolhidas pelo autor, de forma incisivamente desconcertante, ferina, intoxicante, e, por muitas vezes, demolidora, demonstra o quanto sua obra é emblemática e primorosa, apresentando um personagem central construído com esmero, um homem inseguro, passivo, pessimista, incapaz de lidar com o tempo, lutando para não se perder em seu próprio vazio que ameaça se avolumar a cada dia.

E é dessa forma que Benedetti conquista o leitor mais exigente. Além de proporcionar uma profunda reflexão sobre diversos temas, como velhice, amor, sociedade, família, amizade, trabalho e felicidade. Principalmente por se tratar de uma linda história de amor, de grande sensibilidade, e que derruba as barreiras do preconceito. Fazendo até mais que isso, pois ao acompanhar o cotidiano do personagem sentimos com ele a dor de sua busca, de sua redenção, do seu autoconhecimento e toda a sua ironia que o acompanhou durante sua vida e que agora é dinamizada pela busca da felicidade.

Exatamente como qualquer um deve fazer ao se encontrar na mesma situação. Ainda mais quando reencontra o amor, pois é nessa hora que a pessoa se rende e dá a devida trégua para uma vida entristecida pelo tempo e pelas armadilhas que nem sempre conseguimos escapar.


Márcio Luiz Soares

quarta-feira, 27 de junho de 2012

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Saudade




“Parcele a saudade. Ela é insuportável quando deixamos para lembrar tudo num só dia.”

Fabrício Carpinejar

domingo, 10 de junho de 2012

Alimente o lobo




Alimente o lobo que está dentro de você.
[clique na imagem para ampliar]

***
Ilustração: Fábio Moon e Gabriel Bá