sexta-feira, 16 de maio de 2008

Refúgio





Qual a alternativa para relaxar a mente, queimar nossas energias, soltar nossas angústias ou, simplesmente, extravasar?

Ter um hobby? Praticar um esporte, como correr ou uma jogar uma pelada após um dia estressante? Juntar a galera numa balada superdançante? Ler um livro? Escrever poesias ou escrever uma declaração de amor ou desabafo sobre a vida, sobre si mesmo? Pegar um cineminha no final de semana? Brincar com os filhos? Quem sabe uma partidinha de videogame? Ou voltar todo assado depois de uma big praia num feriado prolongado? Contar umas piadas e tomar umas brejas estupidamente geladas durante um happy-hour com os colegas de trabalho? Tudo isso junto e mais um pouco?

Seja qual for a maneira, o importante é sempre dar um jeito de fazer o que gosta, e aliviar as tensões em meio à correria de todos os dias. Todas as pessoas fazem isso de um jeito ou de outro e geralmente nem percebe. Se não faz, torna sua vida enfadonha, chata e sobrecarregada. Um dia explode. Pode explodir destruindo tudo e periga não ter mais conserto.

A vida não é feita só de trabalho, educação, aquisições, relacionamentos, almoço de domingo com a família e um churrasco anual com os amigos. Qualidade de vida é importante, a maioria se preocupa com isso, e é necessário atingir um ponto de equilíbrio.  É por isso que precisamos de uma desculpa, de forma consciente ou não, para reservar um tempinho para nós mesmos, uma saída, uma escapada. Ou um refúgio.

Eu procuro usar as minhas válvulas de escape sempre que posso. Exatamente como agora.

* * *
E em tudo que vou compartilhar com os navegantes errantes que atracarem por aqui.


Márcio Luiz Soares

2 comentários:

Paula Cunha disse...

Agora quem está lisonjeada sou eu. Rs.

Achei a idéia genial. Quem tem inquietações constantes e nem sempre encontra alguém a fim de compartilhar tem mesmo que escrever. É escrevendo que as neuroses diminuem, que se melhora o mundo.Tem gente que não acha, né. Mas também! Tem gente que acha legal jogar aviões em prédios! Somos diferentes, pensamos diferente, mas também tem muita gente que se encontra em gostos, idéias... e na mania de escrever... seja lá o que for. E quando é bom, o mundo não melhora não: fica florido, fluorescente. Rs.

Um texto bom, bem escrito tem gosto de comida boa na hora da fome: é ao mesmo tempo diversão e alimento. E quem tem bom gosto sempre busca o melhor. Afinal, com saúde não se brinca. Beijos.

Paula Cunha

Sue Nery disse...

Curiosidade...foi demais!
Se saco vazio nao fica em pe...
Imagine mente vazia
que ruim que e..
E isso passa longe daqui!!!
Parabens!
abs