quarta-feira, 26 de novembro de 2008

O que há





O que há em mim é sobretudo cansaço -
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas –
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada –
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço...


Álvaro de Campos

6 comentários:

Anônimo disse...

menino! demais! é voltar aqui já sabendo q vai encontar coisa boa! e olha q aprendi a gostar de poesia vindo aqui... e a foto, então?! me deu uma vontade de sentar numa cadeira dessa!! kkkkk bjinhos
samantha

Marcello disse...

concordo com a samanta, é voltar aqui e achar coisa boa, sempre! Alvaro de Campos é um dos nomes q o Fernando Pessoa usava, não é? td dele arrebenta! valeu. abs

.:Eglezita:. disse...

maravilhoso! É simplesmente incrível a descrição!

bjos

Ana Luisa disse...

Ah, não!! Assim é covardia!! Adorei a poesia! Lindo!!
Beijos

Ana Luisa disse...

Ah, estava me esquecendo: a foto é tudo a ver!! Como você consegue isso?!! rs
Beijos

Sérgio disse...

Pois muito bem, a poesia é muito boa, realmente! E volto a concoradar com a Ana: cara que foto! Legal!