quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Ausência






“(...) Perdi alguma coisa que me era essencial, e que já não me é mais. Não me é necessária, assim como se eu tivesse perdido uma terceira perna que até então me impossibilitava de andar, mas que fazia de mim um tripé estável. Essa terceira perna eu perdi. E voltei a ser uma pessoa que nunca fui. Voltei a ter o que nunca tive: apenas duas pernas. Sei que somente com as duas pernas é que posso caminhar. Mas a ausência inútil da terceira me faz falta e me assusta, era ela que fazia de mim uma coisa encontrável por mim mesma, e sem sequer precisar me procurar.”


Clarice Lispector (A Paixão Segundo G.H.) 


2 comentários:

Marcello BBlanc disse...

Fala, marcião! lembro que uma vez no boteco vc comentou que a Clarice às vezes te assustava, mas a admiração superava qualquer coisa e que em certas coisas vc se identificava com ela. agora, ao ler isto, fico pensando, assustado, terá vc se identificado também?!? kkkkkk
Cara! gostei do detalhe da foto: apenas duas pernas de um tripé, q manero!! rs será q entendi direito? contextualizei certo? rs
boa!
abração, do amigão

Margô disse...

Posso estar enganada mas, quando li esta postagem ontem o primeiro pensamento que me veio à mente foi que todos nós nos apoiamos naquilo que chamamos de "muleta". Deixei pra lá, compartilhei no meu Face mas voltando agora para ler e deixar meu singelo comentário me vem à mente novamente a palavra "muleta" e acho que é bem isso, as vezes perdemos a mesma mas logo arranjamos outra, um pouco difícil caminhar ou assumir nossas "quedas" sem colocar a culpa em algo ou alguém.rss
Não sei se consegui expor o que quero dizer... tentei!
Se cuida meu amigo!!
Beijo