sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Qualquer dia desses





Qualquer dia desses
Mudo meu jeito de viver
Dispo-me das regras sociais
Fico rebelde, enlouqueço.

Qualquer dia desses
Conto piadas bem fortes
Ando descalça na rua
Tiro até minhas roupas
Posso até ficar nua.

Qualquer dia desses
Trepo em uma árvore bem alta
Se cair não faço falta
E como frutas fresquinhas.

Qualquer dia desses
Volto a viver a vida
Encontros em qualquer esquina
Até encontrar a saída.

Qualquer dia desses
Subo no coreto da praça
Declamo um poema do Neruda
Quem sabe isso ajuda.

Que seja um poema de amor
Pra espantar dessa cidade
Essa onda de horror
Dos menores de idade.

Qualquer dia desses
Viro “adulta” de rua
E durmo nas calçadas, nos guetos
Sentindo a realidade nua e crua.

Qualquer dia desses
Canto um tango
Danço samba
Bolero, funk de rua
Sentindo de perto o calor humano
Cantando versos pra lua.


Sue Nery


* * *

Valeu, Sue. Brigadão.
Márcio.

2 comentários:

Ana Luisa disse...

Qualquer dia desses sigo este exemplo!!

Samantha disse...

que inspirador!! lindo! bjs