quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Mais castelos de areia


E por falar em castelos de areia...


Castelos de areia

Vários
Cada um maior e mais bonito que o outro
Horas de dedicação ao vento, ao sol e ondas desalmadas
Com cinismos de vai-e-vem
O esmero o fez chegar ao ponto da dedicação total
E ininterrupta
Energia descontrolada
A jogar-se em ondas
Sobre o trabalho que se queria perfeito.
Um a um enfileirados,
Bonitos
Belamente esnobes.
Bandeirinhas coloridas sobre as torres
Onde supostamente debruçam donzelas apaixonadas
Ou sobre as quais voam bruxas de vestes negras.
A envolvê-los, a grama molhada dos sargaços
Colhidos a título de verossimilhança,
Fruto da exigência do artífice.
E vejam vocês:
Em plena praia tropical
Jaz na areia um castelo medieval,
Um logro tão grande quanto sua óbvia insensatez.
Veste-se com muito mito e aparência estrangeiros,
Tão mentirosos quanto fugazes,
Permitindo-se à ousadia
De encher de alegria
O coração de um pobre diabo.
Mas o tempo passou e a maré subiu.

Paula Dórica

6 comentários:

Marcello disse...

é assim q via minha vida, até reconstruir de forma positiva e segura de meus atos. gostei, essa Paula é fogo!! rs

Anônimo disse...

Fico pensando quando eu estiver nessa fase de reconstrução... Bela mensagem, valeu Paula, valeu Marcio. Samantha Bjs

Sérgio disse...

E vejam vocês:
Em plena praia tropical
Jaz na areia um castelo medieval,
Um logro tão grande quanto sua óbvia insensatez.
Veste-se com muito mito e aparência estrangeiros,
Tão mentirosos quanto fugazes,
Permitindo-se à ousadia
De encher de alegria
O coração de um pobre diabo.
Mas o tempo passou e a maré subiu.

Esse final é simplesmente sensacional!! Muito bom!

Ana Luisa disse...

Essa Paula Dórica é realmente fantástica! Nunca deixe de postar textos dela! Tocando no assunto, tem mais? rs Bjs

Márcio Luiz Soares disse...

Ana, to esperando mais textos dela, ela sabe dessa nossa necessidade!! rs

Paula Dórica disse...

Galera, obrigada mesmo pelo incentivo. Vocês são muito gentis e carinhosos comigo. Mas é muito fácil ter inspiração ao escrever para um espaço de como esse: de um amigo vitual tão alma-gêmea, como Márcio. Nós temos "algos" em comum e ainda nos surpreendemos muito com esses tangencimentos de opinião, gostos e interesses. Acredito que com vocês aconteça o mesmo. Beijos na ponta dos narizes.