domingo, 29 de junho de 2008

Interpol




A foto explora o que é bom de ver. Mas nem de perto mostra a que ele veio. Na estrada há dez anos esse moço é dono de uma voz marcante que leva o som do Interpol aos ouvidos mais exigentes. Quem o ouve pela primeira vez é levado a crer que se trata de mais uma boa banda inglesa pela forte influência do The Cure, Smiths e Joy Division. Mas é de Nova Iorque que veio Paul Banks, como mostra a bela canção NYC.

Conheci o Interpol com a música No I in threesome (veja o clipe abaixo). A letra é impagável. Trata-se de um convite muito bem amparado em argumentos para se fazer amor a três. Mas primeiramente, fui capturada pela melodia. O tom sombrio das letras é concretizado nas imagens do clipe. Casas em ruínas, espelhos que refletem fantasmas, ar de abandono, ternos escuros e gestos contidos. O sombrio, o pessimismo é a tônica.

Não recomendo aos obsessivos compulsivos por rock de boa qualidade. Pode fazer mal à saúde. O meu vício atual pode passar a ser o seu.




Paula Dórica



A letra com tradução você curte aqui.

4 comentários:

marcio disse...

bom, interpol eh uma banda que pelo o q eu vi no clipe,q naum tem ua boa trilha sonora, que deh gosto de ouvir elah.oritmo tbm naum gostei.naum eh uma banda bem "hard rock".enaum faizo meu gosto.
minha opniao eh q elah eh uma pessima banda.

Sérgio disse...

Depois do que eu li, vou rever meus conceitos. Mas eu não gostei de nada do Interpol até o momento. De fato, devo concordar, o clipe é bem feito, interessante. Essa música também é. Tive oportunidade de ouvir outras de suas músicas, mas não achei lá aquelas coisas. Talvez eu não tenha dado a devida atenção.

Ana Luisa disse...

Gostei do clipe. Não conhecia a banda e parece ser interessante. Vou procurar outras músicas dela. Do jeito que a Paula colocou, deve ser difícil não virar fã.

Anônimo disse...

Eu tb não conecia essa banda. Parece ser interessante. Vou procurar mais. Valeu pela indicação. Bjs Samantha