sábado, 19 de setembro de 2009

Devoro-te (três)





Não querer demorar
Seria não querer te devorar

Não quero assim esperar

Pois a demora que me devora
Quase permite calcular o quanto separa
O ontem do amanhã, do agora


Márcio Luiz Soares

4 comentários:

Vivien Morgato : disse...

Tá inspirado, rapaz.;0)
Bonito, gostei.

.ana disse...

tão bom quanto o anterior:)

bjos!

Bela disse...

Bem, eu vou torcer para vc esquecer a gaveta aberta ou sem trancar, para que elas possam fugir e vir parar aqui.
Adorei.
Bjinhos ;)

Marcello disse...

gostei da trilogia, bacanérrimo, cara! e agora a coisa mudou: essa espera toda fazendo levar, ou não, em conta o tempo q separa o passado do futuro, mas nesse exato momento, hoje. saquei! não deve esperar mesmo! rs esperar por alguém, lembrando do passado, sem esperanças de ver a pessoa hoje ou amanhã, consome a gente aos poucos, detona com o coração. bem bolado! abração, meu amigo