segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Ocupando a mesma jaula






“Eu não vivo com você. Nós ocupamos a mesma jaula'', diz Margaret (Elizabeth Taylor) ao personagem Brick (Paul Newman) em ''Gata em Teto de Zinco Quente'' (1958), no filme de Richard Brooks, baseado na peça de Tennessee Williams.

Filme que recomendo para todo mundo. Além das ótimas interpretações, os diálogos deixam os apreciadores da palavra totalmente alucinados diante de tanta maravilha.

Encontrei esta frase memorável no UOL Cinema. Quem já assistiu ao filme, sabe o quanto é significante na trama, nos levando a refletir na estranha prisão interior em que os personagens se submetem.

Esta frase cabe na vida (se é que podemos chamar uma relação assim de vida) de muitos casais no mundo inteiro. Nem todos sobrevivem. Nem todos suportam. Nem todos fingem que não acontece.

Nem todos percebem. O que é pior.

5 comentários:

Marcello disse...

Marcião! cara q isso? eu sei: outro papo pra mesa de bar, como sempre fazemos. vamos deixar pra discutir isso qdo vc voltar a ativa, ok? eu sei q vc só volta pro bar depois q tirar o gesso mesmo... kkkkkk. será q acho esse filme na locadora? vê se se cuida, amigão. abraço

Ana Luisa disse...

Concordo contigo, Márcio. Muitos casais passam por essa situação, cada um age à seu modo. Eu não suportaria. Seria cada um pro seu lado, buscando a felicidade. Quando se sente assim, melhor não insistir.
Gostei da dica, da foto e do texto - dizendo muito em poucas palavras. É para refletir.
Beijos

Gabriela Angeli disse...

Oi, Márcio! Há quanto tempo, não? rs

Tem casos que a jaula passa a ser pequena demais a um dos dois... o bom é que descobrimos que fora dela podemos ser quem realmente somos, sem medo...

Beijosssss

Anônimo disse...

assisti e gostei de todos os filmes q vc comentou por aqui e aposto q vou gostar desse tb! eq frase, moço! jamais serei uma esposa assim, vou logo perceber e nunca vou fingir. fora dessa jaula existe a felicidade, nem q dure pouco. pior q vc tá certo, muitos casais fingem e muitos nem percebem q vivem aprisionados numa relação desgastada e acabada. é de dar dó! beijinhos Samantha Rangel

Sérgio disse...

Desculpe, eu não tinha visto essa dica e cobrei na postagem do inferno astral! Esse filme é ótimo! Não,lembro dessa frase, me passou despercebido, isso indica que me distraí (talvez com a beleza da Liz Taylor! rs) E pensando melhor, com essa frase ela sintetizou o drama todo!
E quanto a sua comparação, concordo. E essa coisa de fingirem que não acontece, me parece ser o mais comum. Uma pena. O certo é o casal que está nessa situação se desprender e procurar a felicidade, nem que tenha que arrumar a casa depois.
Um abraço.